UN somni toca el DOS

en un TRES i no res. 

Som QUATRE gats però no estem sols.

No en tenim ni CINC i som rics.

Guardo SIS d’aventura

i molta SET de vida

per aquest món que està tan BUIT. 

Abraço tot lo NOU,

perquè no em DEU res.

 

He vist muralles separant germans,

tota batalla és un joc de mans.

He vist la fam perseguir l’engruna,

créixer flors sobre la runa.

He vist l’esquela de la humanitat

a la favela del nen soldat. 

Sota els fanals d’un món sense parpelles 

he vist morir la llum de les estrelles,

entre les mans poció de vida,

entre tots protegim el druida. 

I no hi ha tsunami que ho pugui desfer,

he vist marees de gent al carrer.

La vida hauria de ser per tots igual,

no hi ha prou terra per tant afany,

tots som part d’aquest engany.

 

Tot està per fer company, 

tan senzill i tan estrany.

El pitjor enemic del món creix,

i al final sempre és un mateix.

 

He vist el sol esqueixant els camps,

he vist llaurar amb les mans al sense terra.

S’aferra a un món que no té cura, 

a l’aventura he fet camí i per fi ho entenc.

He vist plorant els ulls de molta gent 

perquè res és permanent excepte el canvi.

Sé que ho podem fer, 

he vist marees de gent al carrer.

La vida hauria de ser per tots igual,

no hi ha prou terra per tant afany,

tots som part d’aquest engany.

 

Tot està per fer company, 

tan senzill i tan estrany.

El pitjor enemic del món creix,

i al final sempre és un mateix.

Um sonho vai embora

rapidamente,

Somos poucos mas não estamos sozinhos.

Nós não temos dinhero e somos ricos.

Guardo sins de aventura

E muito sede de vida

para este mundo tão vazio

Abraço tudo o novo,

por que não me deve nada.

 

Eu vi muralhas separando irmãos,

toda batalha é um jogo de mãos.

Eu vi a fome perseguindo a migalha,

crescer flores nos escombros.

Eu vi o obituário da humanidade

na favela dos meninos soldado.

Sob as lanternas de um mundo sem pálpebras

eu vi morrer a luz das estrelas, 

entre as mãos poção de vida,

todos nós protegemos o druida.

E não há tsunami que o possa desfazer

eu vi marés de pessoas na rua.

A vida deveria ser para todos igual,

e não há suficiente terra para tanta ambição,

Todos fazemos parte desse engano.

Tudo ésta por fazer companheiro,

tão simples e tão estranho.

O pior inimigo do mundo cresce,

e no final é sempre um mesmo.

 

Eu vi o sol quebrando os campos,

eu vi arar com as mãos ao  sem terra.

Se apega a um mundo que não tem cura,

Na aventura eu fiz caminho ao  fim entendo.

Eu vi chorar os olhos de muitas pessoas

por  que nada é permanente exceto a mudança.

Eu sei que o podemos fazer,

eu vi marés de pessoas na rua.

A vida deveria ser para todos igual,

e não há suficiente terra para tanta ambição,

Todos fazemos parte dessa engano.

Tudo ésta por fazer companheiro,

tão simples e tão estranho.

O pior inimigo do mundo cresce,

e no final é sempre um mesmo.

  • YouTube - Black Circle
  • Spotify - Círculo Negro
  • iTunes - Círculo Negro
  • Amazon - Círculo Negro